segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

O selo de Roma e o selo do Espírito



Na sepultura de Jesus, os soldados romanos colocaram uma grande pedra na entrada do túmulo e a selaram “E, indo eles, seguraram o sepulcro com a guarda, selando a pedra.” (Mt 27.66). Os arqueólogos acreditam que havia duas fitas junto à entrada, coladas com cera endurecida, e que traziam a insígnia do governo romano – SPQR (Senatus Populusque Romanus) como se fosse um aviso dizendo: “Não se aproxime! O conteúdo desse túmulo pertence a Roma”. Esse selo, é claro, revelou-se inútil.

Já o selo do Espírito Santo, entretanto, mostrou-se poderoso. Quando cremos em Cristo, somos selados com o Espírito.

"Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa." (Efésios 1.13).

É como se o Espírito Santo dissesse “pertence a Deus”. E ninguém poderá remover esse selo.

"E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão." (João 10:28),

“Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Romanos 8.38-39).

"Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai." (João 10:29).

domingo, 29 de dezembro de 2013

O camelo e a agulha


Depois da conversa com o jovem milionário do capítulo 19 de Mateus Jesus explica que dificilmente um rico poderia entrar no reino dos céus, e continua explicando que é mais fácil passar um camelo pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus.

Alguns dizem que camelo é camelo mesmo, outros dizem que é uma corda de amarrar navios. A agulha é às vezes interpretada como agulha de costura e outras como uma pequena porta na muralha. Seja o que for, Jesus deixa bem claro que está falando de algo que é impossível aos homens.

Para os discípulos aquilo era um choque. No Antigo Testamento Deus prometia abençoar com prosperidade e riquezas os obedientes, e agora Jesus diz que a prosperidade é um empecilho à bênção e salvação. Como pode ser? Simples. O rico tende a fazer da riqueza o seu deus.

Qualquer coisa pode ser seu deus, e o homem moderno não é nem um pouco menos idólatra do que os antigos que adoravam ídolos de pedra. Se você acha que não pode viver sem alguém, essa pessoa é seu ídolo. Se você acredita que não poderá ser feliz sem aquele carro novo, aquele é seu ídolo móvel. Se você depende da conta bancária para se sentir seguro e realizado, seu deus é Mamom, o dinheiro.

Responda sinceramente, você não se sente mais confiante quando tem algum dinheiro no bolso? E se puder andar sempre na última moda, isso não lhe dá a sensação de ser alguém? É claro que dá. Em marketing chamamos a isso de poder de compra, e como todo ser humano gosta de poder, fica fácil perceber que quanto mais dinheiro, maior a sensação de poder, influência e domínio.

Mas é bom entender também que riqueza alguma tem valor em si mesma. Somos nós que atribuímos valor à prata e ao ouro. Alguns valorizam tanto a pobreza que isso acaba se transformando na sua riqueza, e passam a olhar com desdém os ricos. Você deve conhecer alguém que se acha melhor do que os ricos só por ser pobre. Preste atenção: qualquer coisa, seja riqueza ou pobreza, saúde ou doença, força ou fraqueza, que lhe der a sensação de ser alguém, essa coisa é o seu deus.

"Neste caso, quem pode ser salvo?", pergunta Pedro. Jesus responde: "Para o homem é impossível, mas para Deus todas as coisas são possíveis". A idéia é essa. Não há coisa alguma que você possa ter, ser ou fazer - e daí a palavra "impossível" - que contribua para sua salvação. Tudo vem de Deus para que a glória da sua salvação seja exclusivamente dele. Deu para entender que a salvação é por graça e não por mérito?

Fonte: texto de Mário Persona | Leitura: Mateus 19:23-26 | Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Psluj-PmRrw

domingo, 22 de dezembro de 2013

Jesus é Deus?


Alguma vez Jesus se apresentou como Deus? De acordo com a Bíblia, sim. Veja algumas declarações do próprio Jesus feitas no tempo que esteve na terra.

Como Jesus disse que era Deus?

Disseram-lhe os judeus: “Você ainda não tem cinqüenta anos e viu Abraão?” Respondeu Jesus: “Eu lhes afirmo que antes de Abraão nascer, Eu Sou!”Então eles apanharam pedras para apedrejá-lo, mas Jesus escondeu-se e saiu do templo. (João 8:57-59)

Eu e o Pai somos um”. Novamente os judeus pegaram pedras para apedrejá-lo, mas Jesus lhes disse: “Eu lhes mostrei muitas boas obras da parte do Pai. Por qual delas vocês querem me apedrejar?” Responderam os judeus: “Não vamos apedrejá-lo por nenhuma boa obra, mas pela blasfêmia, porque você é um simples homem e se apresenta como Deus”.(João 10:30-33)

Então Jesus disse em alta voz: “Quem crê em mim, não crê apenas em mim, mas naquele que me enviou. Quem me vê, vê aquele que me enviou. Eu vim ao mundo como luz, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas”. (João 12:44-46)

Quando terminou de lavar-lhes os pés, Jesus tornou a vestir sua capa e voltou ao seu lugar. Então lhes perguntou: “Vocês entendem o que lhes fiz? Vocês me chamam Mestre e Senhor, e com razão, pois eu o sou. Pois bem, se eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei-lhes os pés, vocês também devem lavar os pés uns dos outros”. (João 13:12-14)

Respondeu Jesus: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. Se vocês realmente me conhecessem, conheceriam também o meu Pai. Já agora vocês o conhecem e o têm visto”. Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta”. Jesus respondeu: “Você não me conhece, Filipe, mesmo depois de eu ter estado com vocês durante tanto tempo? Quem me vê, vê o Pai. Como você pode dizer: ‘Mostra-nos o Pai’?”. (João 14:6-9)

Como Jesus se descreve?

Jesus lhes disse: “Digo-lhes a verdade: Não foi Moisés quem lhes deu pão do céu, mas é meu Pai quem lhes dá o verdadeiro pão do céu. Pois o pão de Deus é aquele que desceu do céu e dá vida ao mundo”. Disseram eles: “Senhor, dá-nos sempre desse pão!”. Então Jesus declarou: “Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim nunca terá fome; aquele que crê em mim nunca terá sede”. (João 6:32-35)

Falando novamente ao povo, Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida”. Os fariseus lhe disseram: “Você está testemunhando a respeito de si próprio. O seu testemunho não é válido!”. Respondeu Jesus: “Ainda que eu mesmo testemunhe em meu favor, o meu testemunho é válido, pois sei de onde vim e para onde vou. Mas vocês não sabem de onde vim nem para onde vou”. (João 8:12-14)

Então Jesus afirmou de novo: “Digo-lhes a verdade: Eu sou a porta das ovelhas. Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem. O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente. Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas”. (João 10:7-11)

Disse Marta a Jesus: “Senhor, se estivesses aqui meu irmão não teria morrido. Mas sei que, mesmo agora, Deus te dará tudo o que pedires”. Disse-lhe Jesus: “O seu irmão vai ressuscitar”. Marta respondeu: “Eu sei que ele vai ressuscitar na ressurreição, no último dia”. Disse-lhe Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente. Você crê nisso?” Ela lhe respondeu: “Sim, Senhor, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo”. (João 11:21-27)

Jesus disse que foi enviado aqui para fazer o quê?

Jesus os chamou e disse: “Vocês sabem que os governantes das nações as dominam, e as pessoas importantes exercem poder sobre elas. Não será assim entre vocês. Ao contrário, quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo, e quem quiser ser o primeiro deverá ser escravo, como o Filho do homem que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”. (Mateus 20:25-28)

“Porque estava ensinando os seus discípulos. E lhes dizia: “O Filho do homem está para ser entregue nas mãos dos homens. Eles o matarão, e depois de três dias ele ressuscitará”. Mas eles não entendiam o que ele queria dizer e tinham receio de perguntar-lhe”.(Marcos 9:31-32)

Pois Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus”. (João 3:16-18)

“Todo aquele que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei. Pois desci do céu não para fazer a minha vontade, mas para fazer a vontade daquele que me enviou. E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum dos que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. Porque a vontade de meu Pai é que todo aquele que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia”. (João 6:37-40)

Para saber mais sobre o que Jesus disse e para compreender porque Ele veio, leia João.

Fonte: Bíblia.

Se Jesus é Deus imutável, como mudou para ser Homem?


Sim, Jesus é Deus, portanto imutável, tanto no seu Ser como em seus atributos, o mesmo ocorrendo com o Pai e o Espírito Santo, as duas outras Pessoas da Trindade. Mas como o Jesus imutável mudou ao ponto de se transformar em Homem? A resposta é: ele não mudou e nem se transformou. Jesus veio em carne, isto é, adotou a natureza humana além da divina.

Joã 8:58 Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.

Joã 1:14 E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.

Heb 1:8-12 Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria mais do que a teus companheiros. E: Tu, Senhor, no princípio fundaste a terra, E os céus são obra de tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permanecerás; E todos eles, como roupa, envelhecerão, E como um manto os enrolarás, e serão mudados. Mas tu és o mesmo, E os teus anos não acabarão.

Heb 13:8-9 Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente. Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas...

Estas passagens mostram que Jesus é Deus, eterno e imutável em sua essência. Mas mesmo assim ele se fez carne, o que pode parecer para alguns que ele mudou, deixando de ser imutável. Será?

Se pesquisar verá casos de pessoas que recebem um transplante de coração em condições especiais que não permitem a retirada do coração original. Elas passam a viver com dois corações, e entendo que este exemplo nos ajuda a enxergar um pouco do que aconteceu. Sem deixar de ser Deus imutável, Jesus recebeu uma nova natureza, a humana.

Por isso todos os seus atributos permaneceram intactos. Ele andou aqui sem fazer uso de todos os atributos divinos, embora eles continuassem lá, inalterados. Mas em alguns momentos era possível vê-los trabalhando, quando ele domava os elementos, repreendia os espíritos malignos e multiplicava os pães. Mais que tudo, seu poder divino sobre a vida e a morte permitia que ele trouxesse mortos de volta à vida.

Era como se, no caso do transplantado, alguém duvidasse que ele ainda permanecia com seu coração original e quisesse verificar. Bastaria inclinar-se sobre o seu peito para ouvir os dois corações batendo: o original e o novo batendo lado a lado. O apóstolo João fez algo assim:

1Jo 1:1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida

Antes da encarnação Jesus era "apenas" Deus (digo-o reverentemente), e Deus na integralidade de sua Pessoa. Depois de vir ao mundo ele passou a ser Deus "e" Homem -- tão Deus quanto sempre foi, e tão Homem quanto sempre será eternamente. Não significa que sua divindade tenha se tornado humana, ou que sua humanidade se tornou divina, porque aí teríamos um ser híbrido, o que não é o caso. Ele é 100% Deus e ao mesmo tempo 100% Homem, e não 50% Deus e 50% Homem. Os semi-deuses da mitologia é que são assim.

Obviamente isto é o máximo que podemos tocar do mistério da encarnação, pois estamos falando da própria natureza de Deus, um terreno onde devemos tirar as sandálias dos pés para caminhar. Jamais entenderemos completamente Deus e em especial a encarnação. Só podemos aceitar, pois assim vemos na Palavra de Deus. Ela é clara em mostrar que Jesus é Deus, portanto imutável. E ela é clara em mostrar que o Filho de Deus se fez carne, vivendo aqui como um Homem que tinha cansaço, sede e dor. Se nossa mente não consegue entender isso, então devemos deixar como está e simplesmente crer.

Se Paulo, depois de visitar o terceiro céu, disse que "ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar" (2 Co 12:4), como podemos achar que seremos capazes de entender ou falar da própria natureza de Deus? É por isso que a fé cristã não é baseada em dados ou provas científicas, mas no "firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem" (Hb 11:1).

sábado, 14 de dezembro de 2013

Fui eu que fiz isso


John Nelson Darby viveu na Grã-Bretanha no século 19 e ficou conhecido pela autoria de dezenas de livros e hinos e de uma excelente tradução da Bíblia a partir do grego e hebraico. Curiosamente um dos textos que ele mais ajudou a divulgar nem era de sua autoria, mas de autor desconhecido. Foi descoberto após sua morte anotado em sua Bíblia, como se fosse uma carta recebida de Deus, e nos ajuda a entender que Deus sempre responde nossas orações. Porém a resposta pode ser “Sim”, “Não” ou “Espere”. O texto diz assim:

“Fui Eu que Fiz isto” (1 Reis 12:24)

Os desapontamentos da vida são, na realidade, apenas determinações do meu amor. Hoje tenho uma mensagem para você, meu filho. Vou segredá-la suavemente ao seu ouvido, para que quando surgirem as nuvens, que são um prenúncio tempestade, elas sejam douradas de glória, e para que os espinhos nos quais você talvez tenha que pisar se quebrem. A mensagem é curta -- uma simples frase -- mas deixe que ela penetre no fundo do seu coração e sirva para você como um travesseiro onde possa descansar a sua cabeça fatigada: ‘Fui eu que fiz isso’ (1 Rs 12:24).

Você já parou para pensar que tudo o que lhe diz respeito também diz respeito a mim?

Porque aquele que tocar em você toca na menina dos meus olhos (Zc 2:8). Você é precioso para mim e é por isso que eu me interesso especialmente por seu crescimento espiritual. Quando a tentação o assalta e o inimigo chega como uma inundação (Ap 12:15), quero que saiba que ‘fui eu que fiz isso’.

Eu sou o Deus das circunstâncias. Você não foi colocado onde está por acaso, mas porque é o lugar que escolhi para você. Você não orou pedindo para ser humilde?

Pois fique sabendo que o lugar onde está é o único onde poderá aprender bem esta lição. É por meio de tudo e de todos ao seu redor que a minha vontade se cumprirá em você.

Você tem dificuldades financeiras? Está difícil viver com o que ganha?

‘Fui eu que fiz isso’, pois eu sou o dono de todas as coisas. Quero que receba tudo de mim e dependa exclusivamente de mim. Minhas riquezas são ilimitadas. (Fp 4:19). Prove-me, para que não se diga a seu respeito que não creu no Senhor seu Deus.

Você está passando pela noite escura da aflição?

Fui eu que fiz isso’. Eu sou o Homem de dores e experimentado em trabalhos (Is 53:3). Deixei que você ficasse sem qualquer auxílio humano para que se voltasse para mim para encontrar consolação eterna (2 Ts 2:16, 17).

Você está desiludido com algum amigo a quem talvez tenha aberto seu coração?

Fui eu que fiz isso’. Permiti esse desapontamento para você aprender que seu melhor amigo é Jesus, que o livra de cair e combate as suas batalhas. Sim, Jesus é o seu melhor Amigo. Eu anseio por ser seu confidente.

Alguém disse coisas falsas a seu respeito?

Não fique irado; chegue mais perto de mim, debaixo das minhas asas, longe de qualquer discussão, porque eu deixarei claro como a alvorada que você é justo, e como o sol do meio-dia que é inocente (Sl 37:6).

Seus planos foram frustrados? Você se sente esmagado e abatido?

Fui eu que fiz isso’. Acaso não foi você quem fez os planos e depois pediu que eu os abençoasse? Sou eu quem deseja fazer os seus planos. Eu assumirei essa responsabilidade, porque ela é pesada demais para você. Você não seria capaz de carregá-la sozinho, pois não passa de um instrumento. (Ex 18:18).

Alguma vez você desejou fervorosamente fazer alguma grande obra para mim? E, em vez disso, você foi deixado de lado, num leito de dor e sofrimento?

Fui eu que fiz isso’. Eu não poderia prender sua atenção de outra forma, enquanto você estava tão ativo. Quero ensinar-lhe algumas das minhas lições mais profundas. Somente aqueles que aprendem a esperar pacientemente é que podem me servir. Às vezes os meus melhores obreiros são aqueles que foram colocados fora do serviço ativo a fim de poderem aprender a manejar melhor a arma que se chama oração.

Você foi chamado de repente a ocupar uma posição difícil, cheia de responsabilidades?

Vai em frente, conte comigo. Estou colocando você nessa posição cheia de dificuldades simplesmente porque abençoarei você em tudo o que fizer (Dt 15:18).

Ponho hoje em suas mãos o vaso de santo azeite. Tira o quanto você quiser, meu filho, para que toda circunstância que surgir em seu caminho -- cada palavra que o magoe, cada obstáculo que prove a sua paciência, cada manifestação de sua fraqueza -- possa ser ungida com este óleo. Lembre-se de que os obstáculos são instruções divinas. A dor que você sofrer será na medida certa para você me enxergar em todas as coisas. Portanto, aplique o seu coração a todas as palavras que hoje digo a você, pois elas são a sua vida (Dt 32:46, 47).”

(autor desconhecido)

Fonte: leitura - 1 Reis 12:24 | vídeo: http://youtu.be/sLxxlo118z4

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

O caminho



Há dois mil anos o Império Romano dominava todo o Oriente Médio e parte da Europa, Ásia e Norte da África. Os romanos construíram uma rede de estradas que permitiam que suas tropas se deslocassem rapidamente para qualquer ponto do Império. Se alguém perguntasse como ir a Roma, a resposta seria: "Não se preocupe, escolha qualquer caminho porque todos caminhos levam a Roma". Mas e se alguém quisesse ir para o céu, será que podia escolher qualquer caminho?

Pouco antes de sua morte e ressurreição, Jesus diz aos discípulos: "Vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho". Tomé não entende. "Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?" Bem, hoje sabemos para onde Jesus foi depois de morrer e ressuscitar: ele foi para o céu. Portanto a primeira parte da dúvida de Tomé já foi resolvida. Falta resolver a segunda parte, que ainda é a dúvida de muitas pessoas: Qual é o caminho para o céu?

Assim como fizeram com Roma, os homens inventaram muitas estradas para o céu. Algumas são esburacadas, pois há quem pense que você só chega lá sofrendo muito aqui. Outras só têm o traçado -- caberá a você as boas obras que pavimentarão sua estrada. Há o caminho da reencarnação, mas nele você sempre volta ao ponto de partida, às vezes com um carro pior, se não dirigiu direito. Existem ainda os caminhos cheios de pedágios, para sustentar os pregadores que os criaram.

Será que me esqueci de algum caminho criado pelo homem? Com certeza. Eles são tantos que eu não conseguiria contar, mas nenhum deles garante o destino. Quer uma dica? Quando você é convidado para ir à casa de alguém, quem é a pessoa mais confiável para lhe indicar o caminho? Quem mora lá. Então vamos perguntar a Jesus qual é o caminho para o céu. Ele responde: "Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim".

Simples e direto. O caminho não é uma religião, não é uma igreja, não é uma filosofia, não é uma doutrina, não é o sofrimento, não são as boas obras, não é a guarda da Lei de Moisés, não são as ordenanças como o batismo ou a ceia do Senhor, e nem tampouco dízimos, ofertas ou contribuições. O caminho é uma Pessoa; o caminho é Jesus. Se você está em Jesus, você está no caminho, e o único acesso a este caminho é pela fé em Jesus e na única obra que foi necessária para pavimentar essa estrada: a morte e ressurreição do Filho de Deus.

Antes que alguém pergunte que mal há tomar algum outro caminho, Jesus responde: "Ninguém vem ao Pai, senão por mim". Se você considerar a resposta de Jesus pouco democrática para alguém moderno e esclarecido como você, fique à vontade. Escolha qualquer caminho que preferir ou achar mais adequado ao seu estilo. Você certamente chegará em Roma.

Mário Persona

Fonte: leitura - João 14:4-6 | vídeo - http://www.youtube.com/watch?v=NyHy0RnjZXM

Laodicéia: O último e atual período

Foto: ruínas de Laodicéia, era uma das mais importantes cidades da Ásia Menor. Atualmente o local encontra-se deserto. Fonte: Wikipédia
As sete cartas às igrejas de Apocalipse representam sete períodos do testemunho cristão na terra, quatro deles permanecendo até a vinda de Cristo. A última carta, que representa o último e atual período da cristandade, é Laodiceia, cujas características dificilmente seriam consideradas ruins aos olhos humanos. Como mandam as regras do politicamente correto, ela não é fria nem quente, mas morna, isto é, procura agradar a todos. Ela é autossuficiente e gloria-se de seus feitos, ao contrário de Filadélfia, que se mostra dependente da Palavra de Deus, exalta o nome de Jesus e é elogiada pelo Senhor, não por si mesma.

Mas os feitos de Laodiceia, que podem parecer grande coisa a quem se deixa impressionar por números e cifrões, servem apenas para causar repulsa no Senhor. Ele está a ponto de vomitá-la de sua boca. “Miserável, digno de compaixão, pobre, cego e nu” (Ap 3:17). Esta é a opinião que Jesus tem do testemunho cristão hoje no mundo. É sempre bom lembrar que, enquanto a igreja é a noiva de Cristo, formada apenas pelos verdadeiros salvos, o testemunho cristão inclui todos os que professam o nome de Jesus, verdadeiros ou falsos. Após o arrebatamento da igreja -- os verdadeiros salvos -- os falsos serão a Babilônia, a noiva infiel que se prostitui com os poderes do mundo e passa a perseguir o remanescente de judeus que se converterá após o arrebatamento.

Na continuação do capítulo 3 de Apocalipse você encontra Jesus do lado de fora dessa cristandade corrupta, batendo à porta em busca de comunhão individual, já que coletivamente Laodiceia é um desastre e representa os últimos dias antes da vinda da apostasia e do anticristo. O arrebatamento é tipificado logo após a carta a Laodiceia, no primeiro versículo do capítulo 4 de Apocalipse, que diz: “Depois dessas coisas olhei, e diante de mim estava uma porta aberta no céu. A voz que eu tinha ouvido no princípio, falando comigo como trombeta, disse: ‘Suba para cá, e lhe mostrarei o que deve acontecer depois dessas coisas’”.

A palavra grega Laodiceia significa “direitos do povo” e é esta a característica da cristandade dos últimos dias. Na carta aos Filipenses Paulo já dizia que “todos buscam os seus próprios interesses e não os de Jesus Cristo” (Fp 2:21) e a resposta do Senhor à atitude prepotente e autossuficiente de Laodiceia pode ser vista na abertura da carta, quando ele diz: “Estas são as palavras do Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano da criação de Deus” (Ap 3:14). O que ele quer dizer é que toda a criação está sujeita a ele, o que põe por terra qualquer ideia de autossuficiência. Além disso, apesar do fracasso do testemunho cristão, ele continua sendo “a testemunha fiel e verdadeira”. E para encerrar qualquer discussão sobre qual opinião deve prevalecer, ele chama a si mesmo de “Amém”, ou seja, aquele que tem a palavra final.

Mário Persona

Fonte: leitura - Apocalipse 3 | vídeo: http://youtu.be/ec4qjFD7m8c

Os três estágios



  
As passagens que falam genericamente de ressurreição usam a expressão “ressurreição dos mortos”, mas a ressurreição de Cristo e dos salvos é tratada como “ressurreição dentre os mortos”. Isto é para indicar que Jesus foi tirado de entre os que estavam mortos. A mesma expressão “dentre os mortos” é usada também para a ressurreição dos salvos por Cristo, pois os corpos dos demais permanecerão na morte até o juízo final. Por isso Paulo escreve em Filipenses 3:11 que aguardava “a ressurreição dentre os mortos”.

A ressurreição dos salvos é chamada de “primeira ressurreição” em Apocalipse 20:5, “ressurreição da vida” em João 5:29 e “ressurreição dos justos” em Lucas 14:14. Mas ela acontece em pelo menos três estágios: Primeiro Cristo, que é “as primícias”, cuja ressurreição revela o que acontecerá também com os que crerem nele. Hoje existe apenas um Homem de carne e ossos no céu, porém depois da ressurreição dos mortos em Cristo e a transformação dos vivos no arrebatamento da igreja, todos os crentes que morreram hoje estão em espírito no céu receberão seus corpos à semelhança do que aconteceu com Jesus.

Então o céu será habitado por milhões de seres humanos em corpos de carne e ossos, porém diferentes deste corpo natural, pois poderão viver na eternidade, quando o tempo deixar de existir. Mas serão corpos tangíveis, e não espíritos, como Jesus explicou depois de ressuscitar: “Vejam as minhas mãos e os meus pés. Sou eu mesmo! Toquem-me e vejam; um espírito não tem carne nem ossos, como vocês estão vendo que eu tenho” (Lc 24:39). Ele surgiu em um aposento com as portas fechadas e comeu peixe com os discípulos.

A ressurreição de Jesus é a primeira fase da primeira ressurreição; a ressurreição dos que morreram em Cristo e a transformação dos vivos no arrebatamento é a segunda fase. A terceira fase seria a ressurreição dos mártires da grande tribulação que virá após o arrebatamento da igreja. Alguns acreditam que os santos do Antigo Testamento ressuscitarão nesta fase, porém eu creio que eles estejam entre os “mortos em Cristo” (1 Ts 4:16) ressuscitados no arrebatamento. Poderá haver ainda mais uma ressurreição ou transformação dos corpos no final do milênio, pois devemos nos lembrar de que a terra no reinado de Cristo será habitada por pessoas vivas em corpos naturais e que ainda haverá morte. Sugiro a leitura das passagens que falam da primeira, segunda e terceira fases da primeira ressurreição em 1 Coríntios 15, 1 Tessalonicenses 4:15-18 e Apocalipse 14:13.

Mário Persona

Fonte: leitura - Lucas 14:15 | vídeo - http://youtu.be/RTDhK0VXn-s

domingo, 8 de dezembro de 2013

O clamor da meia noite já ocorreu


Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras. (primeira carta de Paulo aos tessalonicenses, 1Ts 4:17)

O Senhor prometeu, "Na casa de Meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, Eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando Eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também" (Jo 14:2-3). Ele também declarou: "Certamente cede venho" (Ap 22:20). A esperança apropriada ao cristão é aguardar o Senhor vindo a qualquer memento (1 Ts 1:9-10). O Senhor não revelou uma data especifica de quando Ele iria voltar, para que pudesse haver uma esperança sempre presente para a Igreja ao longo de todo o período de sua jornada na Terra.


O CLAMOR DA MEIA NOITE JÁ OCORREU

Mateus 25:1-13. Nesta passagem das Escrituras temos uma antevisão dispensacional do período da Igreja. Ela mostra que após a Igreja haver recebido a verdade da vinda do Senhor como sendo o Noivo, ela se acomodou neste mundo e caiu no sono (Mt 25:1-5). A esperança da vinda do Senhor foi perdida. Em meio às trevas que predominaram na cristandade por mais de 1.500 anos, Deus começou a despertar a profissão cristã ao sentimento consciente da iminência da vinda do Senhor. Ouviu-se o clamor: "Aí vem o esposo" (Mt 25:6). Este reavivamento da esperança da vinda do Senhor aconteceu há cerca de 150 anos! O fato de já haver passado mais de 150 anos e a Igreja continuar na Terra só nos leva a concluir que "perto está o Senhor" (Fp 4:5).

Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo...
- Mt 25:6 -

Fonte: parte do texto de “Dois dias nas escrituras” de Bruce Anstey

sábado, 7 de dezembro de 2013

Por que os ateus fazem tantas perguntas sobre Deus?



Conhecendo a Deus...

Deus é o Criador de todas as coisas, e sem Ele seria impossível nós existirmos. Dependemos dEle continuamente. E o mais maravilhoso de tudo é que Deus, sendo nosso Criador, desejou ter comunhão com as Suas criaturas. Você pode imaginar o que é termos comunhão com Aquele que criou todo este universo, com suas incontáveis estrelas? Maravilhoso, não é mesmo?

E Deus não apenas quis Se revelar ao homem, mostrando o Seu poder na imensidão das coisas criadas, como também nos legou a Sua Palavra, a Bíblia, escrita por cerca de 40 homens inspirados por Deus, ao longo de aproximadamente 1600 anos; homens estes que viveram em três continentes diferentes, vieram de origens desde a mais simples até a mais elevada, e nos legaram este livro escrevendo partes em Aramaico, outras em Hebraico e outras (a maior parte do Novo Testamento) em Grego. E neste mosaico de línguas, costumes, eras e origens destes escritores, encontramos uma harmonia e continuidade que só fazem demonstrar que um grande Maestro esteve por trás dessa singular orquestra.

Mas Deus não parou aí. Não se contentando em nos revelar a Sua Palavra, Ele mesmo se fez Homem e desceu a este mundo, vindo para os que eram Seus. Jesus Cristo, Deus feito homem; o ÚNICO homem perfeito, o ÚNICO sem pecado. Mas, Aquele que devia ter recebido com honras e total sujeição por parte de todos, foi o mais humilhado e desprezado dos homens, chegando a ser entregue, inocente que era, para morrer como um vil criminoso numa cruz (que era a pena de morte para ladrões e criminosos).

Porém, por trás de tudo havia o propósito de Deus, que havia criado o homem para com ele ter comunhão, mas que viu Sua criatura desejar seguir seus próprios caminhos e seus próprios pensamentos. O homem caiu em pecado, que é em suma o desejo de viver independente de Deus, tendo tudo dirigido por suas próprias idéias e pensamentos. Rebeldia, enfim. Deus nos revela que ao longo dos séculos tentou de todas as maneiras trazer o homem para junto de Si, sempre em vão pois Seus profetas eram mortos e aqueles que O seguiam eram desprezados. Até que o Filho de Deus se fez carne, na Pessoa de Jesus Cristo, em Quem o desprezo humano chegou ao seu ápice.

Aquilo que poderia parecer a ruína completa, Deus transformou em vitória pois na cruz Jesus Cristo tomou sobre si o pecado de todos os que nEle crêem, morrendo ali como um réu condenado no lugar do pecador. Foi assim satisfeita a justiça. O pecado, que era uma afronta contra Deus, foi julgado na Pessoa de um substituto do pecador. E de ora em diante, todo aquele que crê em Jesus Cristo e O aceita como Salvador, é perdoado de todos os pecados e tem sua entrada assegurada no Céu.

Bem-sucedido

Como é difícil levar as boas-novas para uma pessoa bem-sucedida. Como dar boas notícias, para uma pessoa que não tem má notícia? Como comp...