segunda-feira, 22 de agosto de 2016

A Besta e O Anticristo - Bruce Anstey

Clichê (Sem Fundamento): Imediatamente após o Arrebatamento, o Anticristo surgirá com destaque e estabelecerá um único governo mundial onde ele será o líder - como o cavaleiro do “cavalo branco” (Ap.6:2). Ele fará uma aliança por 7 anos com Israel para protegê-los, mas na metade dos 7 anos, ele romperá a aliança (Dn.9:27).

Essa afirmação nos faz confundir o Anticristo com a primeira “Besta” em Ap.13:4-8 (também chamado de “o chifre pequeno”- Dn.7:8, 20-21,24-25). Um erro comum que prevalece entre os cristãos.

A primeira besta no capitulo 13 de Apocalipse (o chifre pequeno) é o líder político das superpotências ocidentais (uma confederação de dez nações na Europa, talvez incluindo a América do Norte). O Anticristo é a segunda besta do capítulo 13 de Apocalipse, chamado de “o falso profeta” em relação ao seu trabalho de enganar com mentiras as nações ocidentais, de que todos deveriam adorar a imagem da besta (2Ts.2:9-12; Ap.13:12-17; 19:20). Ele também é chamado de “o rei” em relação aos Judeus na terra de Israel, como sendo o seu falso líder (Messias) (Is.8:21; 30:33; 57:9).

Assim, no Ocidente o primeiro homem é um líder político e o outro homem é um líder religioso. Muitos confundem estes dois homens e pensam que o Anticristo é o líder político da confederação ocidental.

Além disso, a Escritura não ensina que esses homens serão líderes de um único governo mundial. Eles, sem dúvida nenhuma gostariam de ser, e irão se empenhar em consegui-lo, mas um único governo mundial só será visto pela primeira vez na Terra quando o Senhor Jesus estabelecer o Seu Reino no Milênio (Dn.2:35; Zc.14:9).

Durante todo esse tempo esses homens estarão no poder no Ocidente; haverá outra grande Confederação política das nações no Oriente que irá se opor á confederação do Ocidente (Sl.83). Estas nações teriam que ser derrotadas antes de ser estabelecido um governo mundial pela Besta e o Anticristo. E isso nunca acontecerá porque o Senhor intervirá e destruirá ambos os superpoderes (Ap.16:12-21).

Inclusive, a Besta ou o Anticristo não farão uma aliança de 7 anos com os judeus. A aliança será feita 3,5 anos antes que esses homens cheguem ao poder no Ocidente. Seus reinados como líderes da Confederação Ocidental durará 42 meses, que é a última metade da semana profética do capítulo 9 de Daniel (Ap.13:5).

O primeiro “ele” descrito no versículo 27 do capítulo 9 de Daniel, que estabelecerá a aliança com os Judeus, é um líder desconhecido na Confederação Ocidental, formada pela primeira vez sob o controle da Igreja Católica Romana.

O segundo “ele” citado naquele versículo é a Besta (o chifre pequeno), e aparece no cenário quando assume o império como um ditador, na metade da semana profética de Daniel. Ele irá romper a aliança com os Judeus. O Anticristo, supõe-se, terá alguma participação nessa traição (Sl. 55:20). Alguns estudantes da Profecia concluíram que “o príncipe” nesta passagem parece ter a mesma participação que vários indivíduos tiveram quando o império passa do controle da mulher (a Igreja Católica - Ap.17:1-5) para o controle pessoal da Besta (Ap.17:12-18).

Como consequência, a Besta e o Anticristo não fazem uma aliança com os Judeus – eles irão romper a aliança quando chegarem ao poder na metade dos 7 anos.

Tradução: Kleber Barbosa | Revisão: Paulo Martins e Rosimeri Martins
Extraído do livro "UNSOUND DOCTRINAL STATEMENTS & CLICHÉS (Commonly Accepted as Truth)" - Bruce Anstey
45) The Beast and The Antichrist - Tradução páginas 110 a 111

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

O que acontecerá com filhos de incrédulos no Arrebatamento? - Bruce Anstey

Será que as crianças, filhas de incrédulos, seriam levadas no Arrebatamento para serem poupadas da Grande Tribulação? Por ser a Grande Tribulação um período tão terrível, muitos acreditam que Deus não permitirá que as crianças venham a passar por ela. Essas pessoas acham que todas as crianças serão tiradas do mundo quando a Igreja for levada no Arrebatamento. Seu argumento é que todas as crianças estão sob o abrigo do sangue.

Todavia as Escrituras não indicam isso. Existem no Antigo Testamento figuras desse tempo vindouro de provação e juízo que sugerem que os filhos dos incrédulos não serão tirados da terra e da Tribulação que virá. No caso do Dilúvio, que é uma figura do juízo futuro, os filhos dos incrédulos não entraram na arca, mas se afogaram com seus pais (Gênesis 6-7). Também no caso do juízo que caiu sobre Sodoma e Gomorra, outra figura do período de juízo que está por vir, os filhos dos incrédulos não foram tirados dessas cidades antes que o fogo de Deus caísse do céu (Gênesis 19). Portanto, estes tipos ou figuras sugerem enfaticamente que o mundo não ficará vazio de crianças no Arrebatamento.

Podemos achar que tenha sido uma terrível falta de misericórdia da parte de Deus ter agido assim naquelas ocasiões, já que aquelas crianças eram inocentes. Todavia, de uma perspectiva eterna, aquilo foi um ato de misericórdia, se considerarmos que aquelas crianças teriam crescido para se tornarem como seus pais, o que as levaria a acabarem sendo julgadas por seus pecados numa eternidade de perdição. Mas já que morreram como crianças quando veio aquele juízo, suas almas foram para o céu (Mateus 18:10).

Um princípio que nos é dado em 1 Coríntios 7:14 indica que os filhos de pais crentes (ou mesmo quando apenas um deles é crente) irão para o céu com seus pais crentes no Arrebatamento. C. H. Brown costumava dizer: “Deus não irá roubar o berço de pais incrédulos no Arrebatamento”.

Além disso, se desenvolvermos essa ideia equivocada até sua conclusão lógica, veremos que ela realmente não faz qualquer sentido. Deus não poderia realizar aquilo que os que advogam essa ideia dizem que Ele estaria tentando realizar — que é manter crianças fora da Grande Tribulação. A razão é que crianças continuarão a nascer durante o período de Tribulação. E já que a cada segundo nasce uma criança em algum lugar do mundo, em questão de semanas e meses após o Arrebatamento o mundo já teria uma quantidade significativa de crianças nascidas aqui.

Tradução: M. Persona
Extraído de “Unsound Doctrinal Statements and Clichés Commonly Accepted as Truth” - Bruce Anstey

Bem-sucedido

Como é difícil levar as boas-novas para uma pessoa bem-sucedida. Como dar boas notícias, para uma pessoa que não tem má notícia? Como comp...