terça-feira, 1 de abril de 2014

O cristianismo é tipicamente celestial


Se quisermos entender o que é o verdadeiro cristianismo, devemos perceber que existe um contraste entre judaísmo e cristianismo, duas ordens de adoração totalmente distintas -- ambas estabelecidas por Deus. O judaísmo é a maneira terrenal de se aproximar de Deus em adoração, e foi dada por Deus para um povo terrenal, com esperanças terrenais e uma herança terrenal. O cristianismo, por sua vez, é uma ordem celestial, dada por Deus para o Seu povo celestial, o qual possui esperanças celestiais e uma herança celestial (Hb 3:1; Cl 1:5; Fp 3:20; 1 Pd 1:4).

Por esta razão, no verdadeiro cristianismo não existe a guarda de dias santos ou festas religiosas, coisas que pertencem à religião terrenal. Quando os gálatas passaram a se ocupar com os elementos fracos e pobres da religião terrenal, o apóstolo Paulo os advertiu, dizendo: "Como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? Guardais dias, e meses, e tempos, e anos" (Gl 4:9-10). Israel observava religiosamente dias santos e especiais por possuir uma religião terrenal. Aquilo estava correto e apropriado para eles, mas a igreja, que pertence ao céu, não possui essas coisas. Mesmo assim, as denominações em geral perderam de vista a vocação celestial da igreja e inventaram dias religiosos especiais como Sexta Feira Santa, Dia de Todos os Santos, Quaresma etc. Não encontramos essas coisas em lugar algum da Bíblia. Colossenses 2:16-17 nos diz: "Ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, que são sombras das coisas futuras". Existe apenas um dia que deveria ter algum significado para o cristão, e este dia é "o dia do Senhor" -- o primeiro dia da semana (Ap 1:10).